Capa / Alta Floresta / MT poderá perder 132 médicos cubanos que atuam em 55 cidades após decisão de Cuba em deixar programa ‘Mais Médicos’ no Brasil

MT poderá perder 132 médicos cubanos que atuam em 55 cidades após decisão de Cuba em deixar programa ‘Mais Médicos’ no Brasil

Bruno Felipe / Da Reportagem

Autoridades do governo de Cuba anunciaram recentemente que cerca de 8 mil profissionais que atuam no programa “Mais Médicos” e que prestam serviços no Brasil retornarão antes do final do ano ao país de origem. Representantes dos ministérios de Saúde Pública e do Transporte informaram, através de nota publicada na internet, que há um plano para o regresso “ordenado e seguro” dos médicos, que começará no final da próxima semana e deve terminar em meados de dezembro. Na última quinta-feira (15), um grupo de 196 médicos cubanos retornou ao país.

A reação ocorre no momento em que o governo de Cuba anunciou o rompimento da parceria por não aceitar as exigências do presidente eleito Jair Bolsonaro, que questionou a sua preparação e condicionou a presença dos profissionais no Brasil à obrigatoriedade de eles se submeterem à revalidação do título. A participação dos médicos cubanos no projeto “Mais Médicos” começou em 2013, no mandato da então presidente Dilma Rousseff, com o objetivo de garantir o atendimento de saúde a comunidades desfavorecidas em favelas e regiões pobres.

A decisão de Cuba pode deixar 28 milhões de pessoas sem assistência médica, sobretudo, em regiões mais desfavorecidas e de difícil acesso, alertam organizações de saúde de todo o país. Dos 3.228 municípios atendidos pelo programa, 611 correm risco de ficar sem nenhum profissional na rede pública a partir do Natal. Em Mato Grosso, 132 médicos cubanos que atuam em 55 municípios devem deixar de realizar o atendimento no estado. Ao todo, são 258 médicos que trabalham em 102 cidades mato-grossenses através do programa. Somente em Alta Floresta, existem três médicos cubanos, segundo dados publicados no site maismedicos.gov.br.

Nas cidades de Colíder, Aripuanã, Marcelândia e Cotriguaçu também contam atualmente com três médicos cubados. Em Peixoto de Azevedo, Juruena, Juína e Nova Canaã, existem dois médicos cubanos em cada. Vale ressaltar que uma das cidades de MT que possivelmente mais sofrerá com o desfalque de médicos será Tangará da Serra, já que o município conta atualmente com a presença de 25 profissionais vindos de Cuba. Vale frisar que não há a confirmação das possíveis cidades do MT que ficarão sem a presença do profissional de Cuba.

Na semana passada, a Confederação Nacional de Municípios (CNM), divulgou notas em que demonstrou preocupação com a saída dos profissionais cubanos do programa. Segundo a entidade, foi feito um apelo ao Ministério da Saúde e à Presidência da República para que novas medidas sejam apresentadas até sexta-feira (23/11). Vale ressaltar que a CNM protocolou ofício na Embaixada de Cuba solicitando a permanência dos profissionais cubanos até o fim do ano, bem como a abertura de negociação com a confederação e o governo brasileiro para que busquem alternativas para garantir o atendimento à população brasileira.

 

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top