quarta-feira , julho 18 2018
              
Últimas Notícias
Capa / Alta Floresta / Cooperalfa atende decisão da Justiça, mas garimpeiros prometem resistir

Cooperalfa atende decisão da Justiça, mas garimpeiros prometem resistir

manifesto2O clima na região da balsa do Cajueiro, acesso à obra da Usina São Manoel, não está muito agradável. No domingo o acesso à balsa foi bloqueado em uma manifestação conduzida pela Cooperalfa – Cooperativa de Pequenos Mineradores de Ouro e Pedras Preciosas de Alta Floresta. Pouco mais de duas horas de manifestação surgiu uma decisão judicial com Liminar decidindo pela desobstrução. A primeira reação da Cooperalfa foi de não cumprir a decisão judicial, no entanto, já na noite de domingo (por volta das 21 horas), orientados por advogados que atendem aos garimpeiros, a Cooperativa decidiu desobstruir a estrada. Ontem pela manhã, no entanto, sobreveio uma informação de que parte dos garimpeiros decidiram, por conta, continuar bloqueando o acesso à usina. “Pela cooperativa está totalmente desbloqueado, a gente está vendo outros meios, jurídicos mesmo, para que a cooperativa com está briga com a empresa, da forma mais legal possível, mas a área está desbloqueada”, anunciou Darcy Winter, presidente da Cooperalfa.

Ele reconheceu no entanto que um grupo de garimpeiros está no local e pretende resistir a ordem, na esperança de que a empresa estabeleça diálogo com os garimpeiros. Os garimpeiros reclamam que o nível da água, que subiu muito inviabilizando a atividade que é autorizada pelo DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral. O grupo tem a atividade legalizada desde 2010 através do DNPM com todas as licenças de Operação e Ambiental, contando ainda com a Permissão de Lavra Garimpeira (PLG), a Cooperalfa possui subsolo registrado para a exploração em toda a região.

Winter negou que a intenção inicial fosse realizar bloqueios, o que gerou um certo desconforto com a Liminar que foi expedida pela Justiça ainda no dia 7 de dezembro, 5º feira, quando foram iniciados os contatos (já com manifesto) para que algum diretor da São Manoel atendesse ao grupo. “A gente iria procurar os direitos, mas em nenhum momento a gente falou que iria fazer o bloqueio”, explicou. “Como não houve nenhum posicionamento da empresa a gente fez uma reunião no domingo de manhã e optamos pelo bloqueio, quando chegamos lá, já tinha uma liminar pra nós sairmos de lá, não deu nem tempo de esquentar o banco”, analisou.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top