segunda-feira , agosto 20 2018
              
Últimas Notícias
Capa / Política / Joesley Batista vai á Cuiabá esclarecer esquema corrupto da JBS em Mato Grosso

Joesley Batista vai á Cuiabá esclarecer esquema corrupto da JBS em Mato Grosso

O empresário Josley Batista, presidente-executivo do Grupo JBS (Friboi), prestará depoimento às autoridades da Polícia Judiciária Civil em maio deste ano, em Cuiabá. Ele deverá esclarecer as informações trazidas pela delação premiada do ex-governador do Estado Silval da Cunha Barbosa.

Silval e Joesley teriam se reunido em 2010 na sede da JBS para decidir apoio à campanha ao governo do Estado. Em troca, a JBS receberia redução de impostos, o que de fato ocorreu.

Em sua colaboração, o ex-governador Silval Barbosa narra que precisou recorrer, em dezembro de 2010, a um empréstimo de R$ 7 milhões junto a Francisco Carlos Ferres, “Chico Badotti” e Valcir José Piran, vulgo “Kuki” para pagar parte de uma dívida de R$ 40 milhões que o ministro Blairo Maggi deixara com o empresário do ramo de factoring Valdir Piran.  “Estava recebendo muita pressão de Valdir Piran e seus juros eram altos, por volta de 4,5% ao mês”.

No ano de 2011, se reuniu Wesley Batista, presidente do Grupo JBS. Na ocasião, o colaborador se recorda de ter pedido ajuda a Wesley para “quitar dívidas da campanha eleitoral”. O empresário concordou desde que fossem concedidos benefícios fiscais no Estado.

A Secretária Estadual de Fazenda, a mando do governador, realizou estudos de viabilidade de concessão de incentivos para a JBS em Mato Grosso. Naquele mesmo ano, o frigorífico os recebeu. “A partir dali começaram os retornos das propinas, cabendo a Pedro Nadaf, ex-secretário da Casa Civil, acompanhar os recebimentos”, narra Silval.

Foram estas propinas da JBS que quitaram com os dois sócios o empréstimo de R$ 7 milhões, com 2% de juros ao mês, perfazendo, em 2012, a quantia de cerca de R$ 10 milhões. O dinheiro sequer passou pelas mãos do governador, já ia das contas do frigorífico para as de Badoti e Kuki. Entretanto, o delator se recorda que parte dessas propinas da JBS vieram através da empresa TRIMEC, pertencente a Wanderley Faccheti Torres.

“Pedro Nadaf era a pessoa responsável por coordenar essa operação com Wanderley. Pedro Nadaf combinou com Wesley Batista, também, receber R$ 4 milhões em dinheiro na cidade do Rio de Janeiro, sendo que esse pagamento ocorreu em 2015”, narra Silval. Para tal missão na terra do Cristo, Silval escalou Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, “Chico Lima”, procurador do Estado hoje aposentado.

Lima pegou tal montante no Rio, recebendo uma comissão no valor de R$ 250 mil, sendo que desse dinheiro o colaborador entregou R$ 800 mil reais para Dalmi Fernandes Defanti, proprietário da gráfica Print para pagar despesas de campanha de 2014. Ainda, R$ 100 mil a organização criminosa repassou para o posto de propriedade do Irmão do colaborador (Auto Posto Matupá), para quitar uma dívida de fornecimento de diesel.

Parte desse valor, aproximadamente R$ 1.100.000,00, o colaborador utilizou para pagamento de várias despesas, sendo que o restante Pedro Nadaf foi até o Rio de Janeiro e pegou com Chico Lima, ficando com parte e usando o restante para pagamento de despesas.

A JBS ficou ainda devendo R$ 8 milhões de reais de propina que não foram pagos. (OlharDireto)

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top