Últimas Notícias

“Nos hospitais públicos, vidas são ceifadas por falta de higiene e medicamentos”, diz médico em defesa dos filantrópicos

 

26907489_1624229047646919_6157451066369196367_n

O médico Lucio Guimarães, que trabalha há aproximadamente oito anos na Santa Casa de Cuiabá, fez um desabafo em sua página do Facebook, na última terça-feira. Ele defendeu os hospitais filantrópicos, que passam por dificuldades com a falta de repasses dos Executivos estadual e municipal e disparou que nos hospitais públicos “muitos dos pacientes têm suas vidas ceifadas por falta da higiene, de exames e de medicamentos”.

Na última segunda-feira (15), os três hospitais filantrópicos do município de Cuiabá (Santa Helena, Santa Casa de Misericórdia e Hospital Geral Universitário) paralisaram os atendimentos a novos pacientes nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI). De acordo com a assessoria de imprensa, os repasses atrasados por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e também por contrapartidas da Secretaria Estadual de Saúde (SES) não chegaram as unidades, sendo assim necessário a decisão radical de não receberem mais pacientes por falta de condições.
Em sua postagem, o médico – que é da UTI adulto e visitador pela clínica médica – explica as dificuldades diárias enfrentadas no local. “Vejo diariamente cerca de dez pacientes graves ou gravíssimos. Nas enfermarias do SUS, já cheguei a ter quase trinta pacientes internados sob minha responsabilidade. Para minha surpresa, hoje ao abrir a porta de uma enfermaria onde estava um paciente, me deparei com esta cena lamentável. Oito leitos vazios. Enquanto isso, nos corredores dos hospitais públicos, os pacientes padecem com a falta de tudo, principalmente do respeito das autoridades públicas”.

Lucio ainda comenta que “nos corredores dos hospitais públicos, as pessoas têm sua dignidade ferida, dia após dia. Muitos dos pacientes têm suas vidas ceifadas por falta da higiene, de exames e de medicamentos”.

Nos aproximadamente oito anos em que está na Santa Casa, o médico afirma que tem a maior convicção sobre a seriedade do hospital e que já teve pacientes graves, de alta complexidade e por vezes dispendiosos e nunca o foi negado nada para o atendimento correto e digno.

“A direção do hospital sempre foi solicita a todas as minhas reivindicações. Este depoimento, também se faz adequado à seriedade da direção do Hospital Santa Helena. Para concluir, os maiores prejudicados, como sempre, são os pacientes que dependem das ações e da boa vontade dos políticos. Parabéns à Direção da Santa Casa e do Santa Helena por serem firmes no objetivo de manterem estes hospitais abertos, para que possamos continuar a salvar mais e mais vidas”, finaliza o médico. (Olhar Direto)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top