Últimas Notícias

Nininho pagou propina de R$ 7 milhões em troco de aumento nos pedágios

NININHOO deputado estadual Ondanir Bortolini, o “Nininho” (PSD), teria repassado uma propina de R$ 7 milhões ao ex-governador Silval Barbosa (PMDB) para o Estado autorizar o aumento da tarifa de um pedágio na rodovia MT-130. A rodovia liga Primavera do Leste à Rondonópolis, municípios que localizam-se à 237 km e 216 km de Cuiabá respectivamente.

Nininho teria procurado Silval acompanhado de um diretor da concessionária que administra o trecho, a Morro da Mesa. “O colaborador foi procurado pelo deputado estadual Nininho, sendo que Nininho e um dos diretores da concessionária Morro da Mesa, chamado Eloi Bruneta, disseram para o colaborador que gostariam de aumentar a tarifa do pedágio pedindo para o governo autorizar o aumento, através da Sinfra ou Ager”, diz trecho da colaboração premiada.

De acordo com o ex-governador, Nininho propôs, junto ao diretor da Morro da Mesa, Eloi Bruneta, o pagamento de R$ 7 milhões em propina para conseguir o aumento da tarifa. Silval concordou com o negócio. “Nessa reunião, Nininho e Eloi Bruneta prometeram ao colaborador em torno de R$ 7 milhões de reais no caso do governo conseguir o aumento da tarifa, tendo o colaborador concordado e determinado para o Secretario da Sinfra na época dos fatos executar o aumento da tarifa”, disse o ex-governador em seu depoimento.

PARCELAMENTO

Silval Barbosa afirmou ainda que os pagamentos foram realizados por meio de “22 ou 23 cheques mensais de uma empresa que pertencia a Nininho. Cada cheque foi emitido no valor de R$ 300 mil.

Segundo Silval, os valores foram pagos até 2013 ou 2014 e seriam utilizados para a quitação de débitos de campanha. “O colaborador tem conhecimento que após o aumento da tarifa o deputado Nininho repassou para o colaborador 22 ou 23 cheques mensais no valor aproximado de R$ 300 mil cada se recordando que eram cheques de uma empresa que pertencia a Nininho. O colaborador foi usando os valores para pagamento das dívidas, sabendo que o pagamento cessou no ano de 2013 ou 2014”, comentou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Scroll To Top